Sebrae Play | Uso de bens pessoais para quitar dívidas da empresa

Adicionado ao carrinho


Investimento:
R$ 0,000 x R$ 0 sem juros
logo

Adicionado ao carrinho


Investimento:
R$ 0,000 x R$ 0 sem juros

Finanças

Artigo
Artigo

Uso de bens pessoais para quitar dívidas da empresa

Entenda melhor o uso dessa solução para a quitação de dívidas

Publicado em
29/08/2023 19:37

Tempo de
leitura: 3min

Sebrae Minas - Uso de bens pessoais para quitar dívidas da empresa
Entenda melhor o uso dessa solução para a quitação de dívidas

Diante do endividamento de sua empresa, seus proprietários podem se colocar diante de uma questão. Devem ou não devem utilizar bens pessoais para quitar a dívida da empresa? Pode ser um caminho bem melhor do que quitar a dívida com outra dívida.

Para responder essa questão, o primeiro passo é tentar se desvencilhar das questões emocionais envolvidas. Por um lado, podem estar querendo salvar a empresa a qualquer custo. Afinal, muito suor e sacrifício foram despendidos na construção dela. Por outro, podem não quer abrir mão de um bem pessoal que pode representar o resultado de um grande esforço.


 
 

O que considerar para resolver o endividamento?

A análise precisa ser feita de forma mais objetiva. Primeiro é preciso entender o que levou ao endividamento da empresa. Foi alguma situação pontual (como o não recebimento de algum cliente) ou foi algum processo mais longo, como a queda de faturamento ou aumento dos custos. É preciso responder se a quitação da dívida irá solucionar essa questão. 

Por exemplo, ao não ter mais que pagar os compromissos mensais da dívida, o caixa ficará equilibrado. Mas se mesmo pagando a dívida, a situação não apresenta perspectivas de melhora, é o momento de refletir sobre o futuro do negócio. Algo mais precisará ser feito além da quitação da dívida.

Outro ponto a ser observado é analisar se o uso dos bens pessoais vai possibilitar a quitação da dívida.  Ou vai só aliviar a situação no curto prazo. Será que a água disponível é capaz de apagar o incêndio? Ou pelo menos diminuir bastante para que ele possa ser apagado de outra forma? De nada adianta, em pouco tempo, estar com o negócio novamente comprometido e não ter mais os bens pessoais.

Finalmente os proprietários devem enxergar o uso dos bens pessoais como um novo investimento feito na empresa e não uma ação filantrópica. E como em todo investimento, eles devem buscar um retorno. É preciso então arregaçar as mangas e buscar estratégias para que a empresa possa garantir um bom retorno para esse investimento.

Dúvidas? Fale com um de nossos especialistas no Atendimento Online, ligue para nossa Central de Atendimento no telefone 0800 570 0800 ou visite a Agência de Atendimento mais próxima.

Publicado em 29/08/2023 19:37

Tempo de leitura: 3min

Autores

Veja outros conteúdos sobre: Finanças
Lines
Central de Atendimento:
0800 570 0800

Copyright 2020 - SEBRAE MINAS

Logo Sebrae PlayLogo Sebrae