Sebrae Play | Retirada de produtos da empresa para uso próprio

Adicionado ao carrinho


Investimento:
R$ 0,000 x R$ 0 sem juros
logo

Adicionado ao carrinho


Investimento:
R$ 0,000 x R$ 0 sem juros

Estratégia e Gestão

Artigo
Artigo

Retirada de produtos da empresa para uso próprio

Entenda como a retirada indevida de produtos do estoque pode trazer prejuízos

Publicado em
22/08/2023 17:17

Tempo de
leitura: 4min

Sebrae Minas - Retirada de produtos da empresa para uso próprio
Entenda como a retirada indevida de produtos do estoque pode trazer prejuízos

Muitas vezes, principalmente micro e pequenos empresários que são administradores do próprio negócio adotam práticas que promovem a mistura dos recursos de suas empresas com seus recursos pessoais. Ao fazer isso, essas pessoas estão ferindo um dos princípios fundamentais da Contabilidade, que é o Princípio da Entidade, instituído pela Resolução 750/1993 do Conselho Federal de Contabilidade, que diz que não devem ser confundidos o patrimônio de uma sociedade ou instituição com aquele de seus sócios ou proprietários.


 
 


 

Por que é tão importante separar despesas pessoais das contas da empresa?

Mesmo com a revogação de tal resolução em 2016, entende-se que os princípios estão diluídos em outros pronunciamentos contábeis desse Conselho e que são importantes norteadores da atividade empresarial. 

Assim, seja através da utilização de dinheiro da empresa para pagar suas contas pessoais ou, mais especificamente como será tratado aqui neste texto, com a retirada de produtos da empresa para uso próprio, tal mistura patrimonial tende a trazer repercussões negativas na atividade da empresa, como a falta de controle financeiro e, até mesmo, a falência.

E a retirada de mercadorias do estoque, como fica? 

Com relação à retirada de produtos do estoque da empresa para uso próprio, o pretexto de que são proprietários da empresa, aliado à facilidade de poder “pegar” para si algo que, na verdade, é patrimônio da empresa intensifica esse tipo de prática. E, assim, um ato que parece inofensivo ganha espaço no dia a dia e pode trazer muitos malefícios.

Algumas perguntas surgem com relação a esse tipo de prática. Primeiramente, será que os produtos retirados não irão fazer falta para uma venda futura? Pode acontecer de um cliente demandar tal produto e ele não estar mais em estoque ou mesmo de haver prejuízo da produção pela falta de determinada matéria-prima. Tais retiradas, na maioria das vezes, ocorrem sem qualquer planejamento e acabam por acarretar situações assim.

Sabe-se da importância de um bom registro da movimentação de itens de estoque, seja para a conferência física deles ou para o próprio processo de tomada de decisões de compras. A retirada de um produto por parte do proprietário foi devidamente registrada? Gerou uma informação de diminuição daquele item no estoque? Alimentou os sistemas de tomada de decisão sobre uma eventual falta e necessidade de nova compra?

Questões como essas são da maior importância e ajudam a reforçar a necessidade de processos de controle de estoque, além do respeito ao princípio da Entidade mencionado anteriormente. E se, eventualmente, uma retirada de produtos for inevitável, que possa ocorrer seu devido registro, abatimento do valor da retirada dos sócios e posterior reposição, sempre com a recomendação de que a prática seja minimizada e, até mesmo, eliminada.

Dúvidas? Fale com um de nossos especialistas no Atendimento Online, ligue para nossa Central de Atendimento no telefone 0800 570 0800 ou visite a Agência de Atendimento mais próxima.

Publicado em 22/08/2023 17:17

Tempo de leitura: 4min

Autores

Veja outros conteúdos sobre: Estratégia e Gestão
Lines
Central de Atendimento:
0800 570 0800

Copyright 2020 - SEBRAE MINAS

Logo Sebrae PlayLogo Sebrae