Economia criativa: o que é e que áreas compreende

Adicionado ao carrinho


Investimento:
R$ 0,000 x R$ 0 sem juros
logo

Adicionado ao carrinho


Investimento:
R$ 0,000 x R$ 0 sem juros

Empreendedorismo

Artigo
Artigo

Economia criativa: o que é e que áreas compreende

Fique por dentro da importância e as oportunidades da economia criativa

Publicado em
03/01/2024 16:35

Tempo de
leitura: 9min

Sebrae Minas - Economia criativa: o que é e que áreas compreende
Fique por dentro da importância e as oportunidades da economia criativa

A economia criativa é um setor econômico que engloba atividades relacionadas à criatividade, ao capital intelectual e à inovação. Ela é baseada no uso do conhecimento, da cultura e da tecnologia para produzir bens e serviços que sejam novos, únicos e originais.

Atualmente, vivemos um momento de massificação e escalonamento de produtos em todo o mundo, propiciada pelo avanço da internet. Nesse cenário, então, como fazer diferença? Somente com uso da criatividade somos capazes de transformar o modelo seriado, para um modelo único, exclusivo e gerar diferenciação de produtos e serviços. Isso significa trazer as características culturais, sociais e humanas para os produtos e serviços.

Essas características geram também um valor econômico, ou seja, referem-se ao valor percebido pelo mercado, imprimindo importância, necessidade e utilidade para pessoas ou empresas. Podemos então dizer, que a riqueza atualmente está centrada na inovação e na criatividade.

E como estamos falando de conceitos muito amplos, que passam por arte, cultura e criatividade, como podemos entender, de fato, o que envolve a economia criativa?

Neste conteúdo, vamos passar pelas principais áreas e indústrias criativas. Se você faz parte deste segmento ou pensa em fazer, venha descobrir com a gente que tipo de negócio está incluído no amplo universo da economia criativa.


 
 


 

Afinal, o que é economia criativa?

A ascensão e o desenvolvimento da economia criativa refletem bem a mudança mais ampla que está ocorrendo na economia global – a mudança de uma economia mais baseada na produção de bens para economias baseadas fortemente na prestação de serviços.

Em relação ao seu conceito, a economia criativa diz respeito a um conjunto de atividades econômicas baseadas no conhecimento, na criatividade e na expressão cultural. Ela abrange setores que utilizam a criatividade como ferramenta para produzir bens e serviços. Essa abordagem econômica reforça a importância da cultura e das indústrias culturais como elementos-chave para o desenvolvimento sustentável de cidades e países.

Uma das primeiras abordagens sistemáticas sobre o tema foi realizada pela Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD), que publicou em 2008 um relatório intitulado "Economia Criativa como Força Impulsionadora para o Desenvolvimento Sustentável". Nesse documento, a UNCTAD destacou a importância da economia criativa como uma alternativa para impulsionar o desenvolvimento de países em desenvolvimento, ressaltando a necessidade de políticas públicas e investimentos nesse setor.

E qual a importância da economia criativa?

A economia criativa é um setor importante para a economia global. Ela representa cerca de 3% do PIB mundial e emprega milhões de pessoas. A economia criativa também é um importante motor de crescimento econômico. Ela é responsável por gerar novas empresas, empregos e renda.

Qual é o tamanho da economia criativa?

Atualmente, a indústria da cultura e criatividade representam 6,2% dos empregos no mundo e 3,1% do Produto Interno Bruto, PIB, global.

Segundo estimativas da ONU, as indústrias da economia criativa geram receitas anuais de mais de US$ 2 trilhões e respondem por quase 50 milhões de empregos em todo o mundo. Cerca de metade desses trabalhadores são mulheres, e essas indústrias empregam mais pessoas de 15 a 29 anos do que qualquer outro setor. A televisão e as artes visuais constituem as maiores indústrias da economia criativa em termos de receitas, enquanto as artes visuais e a música são as maiores indústrias em termos de emprego.

Dados da ONU estimam que, entre 2019 e 2020, houve uma contração de US$ 750 bilhões no valor bruto agregado pela economia criativa globalmente devido à pandemia. Isso corresponde a cerca de 10 milhões de empregos perdidos no setor em todo o mundo. Para cada país, as perdas de receita em 2020 variaram de 20 a 40%.

No Brasil, a economia criativa é um setor em crescimento. Ela representa cerca de 3% do PIB nacional e emprega mais de 2 milhões de pessoas.

Resumindo, então, a economia criativa é um setor importante para a economia brasileira e mundial. Ela tem o potencial de gerar novos empregos, renda e crescimento econômico. E para que isso siga crescendo, o governo brasileiro tem promovido a economia criativa por meio de políticas públicas, como o Plano Nacional de Cultura.

Leia também: 7 dicas para empreender na economia criativa


 
 


 

Quais são as áreas da economia criativa?

Como vimos até aqui, as chamadas indústrias criativas usam de capital intelectual como insumo para gerar negócios.

A fim de entender quais são as principais áreas e que tipos de negócio a economia criativa engloba, podemos começar das seis áreas prioritárias, propostas pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

As seis áreas prioritárias da economia criativa foram estabelecidas pela Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD) em seu relatório intitulado "Economia Criativa como Força Impulsionadora para o Desenvolvimento Sustentável", publicado em 2010. Essas áreas foram identificadas como tendo um potencial significativo para o crescimento econômico e para promover o desenvolvimento sustentável nos países. As seis áreas prioritárias são:    

  1. Patrimônio Natural e Cultural - museus, locais históricos e sítios arqueológicos, paisagens culturais, patrimônio natural;    
  2. Espetáculos e celebrações - artes cênicas, festas e festivais, feiras;    
  3. Artes visuais e plástica - artesanatos, pintura, escultura e fotografia;    
  4. Livros e periódicos - livros, jornais e revistas, outros materiais impressos, bibliotecas físicas e virtuais, feiras do livro;    
  5. Audiovisual e mídias interativas - cinema e vídeo, televisão e rádio (inclusive internet), internet podcasting, videogames (inclusive on-line). Também engloba produção, direção, roteiro, pós-produção, animação, efeitos especiais, distribuição e exibição de filmes, séries e conteúdo audiovisual.  
  6. Design e serviços criativos - design de moda, de gráficos e de interiores, paisagismo, serviços de arquitetura e serviços publicitários.

Além disso, a economia criativa também pode envolver outras atividades e áreas, como:

Música: Compreende compositores, músicos, produtores musicais, festivais e eventos musicais, gravação e distribuição de música.

Artesanato e moda: Compreende artesãos, designers de moda, joalheiros e todos os envolvidos na produção e comercialização de produtos artesanais e de moda.

Arquitetura: Inclui arquitetos e urbanistas que projetam espaços e edifícios com enfoque na criatividade e funcionalidade.

Publicidade e marketing: Engloba profissionais que criam campanhas publicitárias e estratégias de marketing inovadoras e criativas.

Software e jogos digitais: Inclui desenvolvedores de software, criadores de jogos eletrônicos e empresas que trabalham na criação e comercialização de aplicativos e jogos.

Turismo criativo: Envolve experiências turísticas baseadas na criatividade local, como visitas a estúdios de artistas, participação em workshops culturais, entre outros.

Artes digitais e novas mídias: Inclui artistas e criadores que trabalham com arte digital, realidade virtual, realidade aumentada, arte interativa, entre outros.

Essas são apenas algumas das principais áreas que compõem a economia criativa. É importante notar que as possibilidades, em todas essas áreas, são inúmeras!

Além disso, muitas vezes essas áreas se entrelaçam, criando sinergias e oportunidades para inovação e para a criação de negócios de sucesso!

Dúvidas? Fale com um de nossos especialistas no Atendimento Online, ligue para nossa Central de Atendimento no telefone 0800 570 0800 ou visite a Agência de Atendimento mais próxima.

Publicado em 03/01/2024 16:35

Tempo de leitura: 9min

Autores

Veja outros conteúdos sobre: Empreendedorismo
Lines
Central de Atendimento:
0800 570 0800

Copyright 2020 - SEBRAE MINAS

Logo Sebrae PlayLogo Sebrae