Economia criativa: a cultura como soft power

Adicionado ao carrinho


Investimento:
R$ 0,000 x R$ 0 sem juros
logo

Adicionado ao carrinho


Investimento:
R$ 0,000 x R$ 0 sem juros

Estratégia e Gestão

Artigo
Artigo

Economia criativa: a cultura como soft power

Entenda sobre soft power e a relação com a economia criativa

Publicado em
23/10/2023 15:08

Tempo de
leitura: 8min

Sebrae Minas - Economia criativa: a cultura como soft power
Entenda sobre soft power e a relação com a economia criativa

A economia criativa é um importante pilar do desenvolvimento econômico brasileiro e os números estão aí para provar isso.

Um levantamento realizado pelo Observatório Itaú Cultural mostra que, em 2020, as atividades do setor movimentaram R$ 230,14 bilhões, o que equivale a 3,11% do Produto Interno Bruto (PIB).

Ainda de acordo com os dados, o percentual supera o índice da indústria automobilística, que registrou um valor de 2,1% no mesmo período.

Além disso, a economia criativa é responsável por 7,4 milhões de empregos formais e informais no país, o equivalente a 7% do total dos trabalhadores brasileiros.

A vocação cultural pode levar o setor além. Ainda há muito potencial a ser desenvolvido pela economia criativa.

A cultura e a identidade brasileiras podem ser usadas estrategicamente para influenciar e gerar atração para, com isso, impulsionar ainda mais o desenvolvimento econômico.

Essa força do setor cultural já ganhou até um nome: soft power. É sobre esse conceito que vamos falar a partir de agora.


 


Soft power: o que é?

Soft power é um termo criado pelo cientista político norte-americano Joseph Nye, no final da década de 80. Anos depois, em 2004, o acadêmico se dedicou ao desenvolvimento do conceito no livro “Soft Power: The Means to Success in World Politics”.

Traduzido como poder brando, o soft power é definido como a capacidade de gerar atração e influenciar indiretamente através do exemplo. Essa influência tem efeito, geralmente, antes de uma tomada de decisão.

Existem três grandes fontes de soft power:    

  • Cultura;    
  • Valores políticos;    
  • Política externa.

Há, ainda, o hard power, conceito que se opõe ao soft power e é caracterizado pela influência a partir de demonstrações bélicas ou econômicas de força.

Sanções econômicas, incentivos financeiros e ações militares são algumas das formas de exercer o hard power.

Cultura como soft power

Dentro do contexto de soft power, Joseph Nye definiu cultura como “um conjunto de práticas que dão significado a uma sociedade”.

Nesse sentido, as estratégias de soft power estimulam o investimento em produtos culturais que possam ser exportados para atrair turismo, dominação cultural e até estreitamento de laços entre povos.

Através do soft power, é possível atrair investimentos e contribuir para o desenvolvimento sem a necessidade de estabelecer alianças econômicas formais, que ficam a cargo do hard power.

As atividades de economia criativa têm, então, as vocações diretamente ligadas a essa forma de poder brando, que pode ser exercido através:  

  • Do audiovisual;  
  • Da literatura;  
  • Das artes plásticas;  
  • Da música popular.

Exemplos de soft power

Estados Unidos

Hollywood, a indústria de cinema norte-americana, é um instrumento que exerce o soft power e leva, ainda hoje, o conceito de “American Way of Life” para o mundo todo.

Exportando o estilo e os sonhos de um ideal de vida norte-americano, o cinema é responsável por fazer com que outras nações incorporem a cultura do país.

Estrategicamente, Hollywood também dissemina influência política, especialmente no que diz respeito ao posicionamento dos Estados Unidos em guerras e à criação de uma visão de país heroico.

Para que isso pudesse acontecer, Hollywood recebeu grandes investimentos do governo e se transformou em uma indústria capaz de gerar atração em todo o mundo.

Coreia do Sul

A estratégia da Coreia do Sul é um dos exemplos recentes mais bem-sucedidos de soft power e começou a ser traçada em 1993.

O governo do país percebeu o potencial lucrativo da indústria cinematográfica com o sucesso do filme “Jurassic Park”, produção norte-americana que faturou o equivalente à venda de 1,5 milhão de carros Hyundai, que era o produto mais valioso do país na época.

Essa percepção fez com que a Coreia do Sul formulasse leis para impulsionar o capital privado do setor.

Além disso, o país ampliou os mecanismos públicos e privados de incentivo à cultura, o que resultou em um crescimento da produção.

Isso não aconteceu só com o cinema. A mesma estratégia de apoio e financiamento governamental também foi usada para desenvolver outras áreas, como a música e as séries de TV, conhecidas como doramas (dramas coreanos).

Hoje, os resultados estão evidentes e ganharam até um nome: a Hallyu ou “onda coreana”.

Os investimentos fizeram o filme “Parasita” ganhar o Oscar de melhor produção em 2020. Foi a primeira vez que um longa-metragem falado em língua não-inglesa conquistou o principal prêmio do cinema mundial.

Da mesma forma, os doramas têm audiências significativas nas plataformas de streaming e o K-Pop, estilo de música coreano, se popularizou no mundo inteiro.

Soft power no Brasil

O soft power brasileiro é exercido de algumas formas: através das novelas, da bossa nova, do carnaval e, até mesmo, do futebol.

No entanto, ainda há muito potencial a ser explorado, especialmente no setor da economia criativa.

Investimentos em audiovisual, em um movimento de retomada das atividades do setor pós-pandemia, podem fazer parte de uma estratégia nacional de soft power, considerando a identidade cultural do país e utilizando-a para proporcionar desenvolvimento econômico.

Estruturação

Para que esse desenvolvimento possa acontecer, o fortalecimento das políticas públicas e das leis de incentivo, envolvendo também o setor privado, exerce uma função central.

A revisão de modelos de financiamento e o acesso a linhas de crédito públicas e privadas também são instrumentos importantes.

É necessário mencionar, ainda, a relevância do desenvolvimento de talentos e de ações que possam baratear a importação de insumos para o setor.

O desenvolvimento da cultura como soft power brasileiro depende da criação dessas oportunidades.

Estratégias regionais

Apesar de ser um conceito criado a partir das relações de poder internacionais, o soft power também pode ser adaptado para atrair investimentos econômicos na esfera regional.

Estratégias podem ser traçadas para desenvolver atividades a partir da singularidade territorial, das características culturais que diferenciam uma região.

A identidade regional e a influência dela em áreas como dança, música, artesanato e no audiovisual podem nortear todo o desenvolvimento de uma cadeia de produção cultural.

Quer saber mais sobre o universo dos negócios criativos? Então, acesse o perfil “Fazer Criativo”, projeto de Economia Criativa do Sebrae Minas, e acompanhe nossos conteúdos.

Dúvidas? Fale com um de nossos especialistas no Atendimento Online, ligue para nossa Central de Atendimento no telefone 0800 570 0800 ou visite a Agência de Atendimento mais próxima.

Publicado em 23/10/2023 15:08

Tempo de leitura: 8min

Autores

Veja outros conteúdos sobre: Estratégia e Gestão
Lines
Central de Atendimento:
0800 570 0800

Copyright 2020 - SEBRAE MINAS

Logo Sebrae PlayLogo Sebrae