Alimentação: o papel e os benefícios das foodtechs para o setor

Adicionado ao carrinho


Investimento:
R$ 0,000 x R$ 0 sem juros
logo

Adicionado ao carrinho


Investimento:
R$ 0,000 x R$ 0 sem juros

Empreendedorismo

Artigo
Artigo

Alimentação: o papel e os benefícios das foodtechs para o setor

Saiba o que são as foodtechs e como elas funcionam

Publicado em
03/01/2024 14:14

Tempo de
leitura: 8min

Sebrae Minas - Alimentação: o papel e os benefícios das foodtechs para o setor
Saiba o que são as foodtechs e como elas funcionam

Você conhece alguma foodtech? Se a resposta for não, é muito provável que você esteja enganado e apenas não assimilou o nome ao negócio inserido nesse conceito.

A tecnologia e as mudanças de hábitos dos consumidores, que estão mais exigentes e preocupados com a alimentação, ajudam no desenvolvimento de startups e empresas que se enquadram nessa categoria.

As foodtechs nascem, especialmente, impulsionadas pelo mercado da alimentação saudável e práticas voltadas ao bem-estar, mas os negócios do gênero ganham cada vez mais espaço e multiplicam as possibilidades de atuação.

A partir de agora, vamos conhecer mais sobre o conceito de foodtech e a importância desses negócios para o mercado.

Foodtechs: o que são?

Unindo as palavras comida (food) e tecnologia (tech), as foodtechs são empresas e startups que utilizam ferramentas tecnológicas para propor inovações e, com elas, transformar o setor de alimentação.

Nas foodtechs, a tecnologia está envolvida em todos os processos, desde a produção até chegar aos consumidores.

Internet das Coisas (IoT), Big Data e Inteligência Artificial são algumas das ferramentas utilizadas por essas empresas para o desenvolvimento de soluções.

Os negócios do gênero estão ganhando cada vez mais relevância no setor alimentício. A categoria de delivery e logística é uma das mais conhecidas, mas o conceito é explorado para muitas outras finalidades.

Consumo e sustentabilidade

Um dos fatores que impulsiona as foodtechs é a mudança nos hábitos de consumo. As pessoas passaram a ser mais exigentes com os alimentos que ingerem, principalmente, no que diz respeito à saúde.

A sustentabilidade também é um conceito intimamente ligado a essas empresas. A preocupação dos consumidores com os métodos de produção e o desperdício estimulam as foodtechs a investir e buscar soluções inovadoras e que possam modificar a relação dos clientes com a alimentação.

Como as Foodtechs funcionam na prática?

Os recursos tecnológicos explorados pelas foodtechs podem ser utilizados para diversas finalidades. Algumas delas são:     

  • Desenvolvimento dos chamados alimentos do futuro, como carnes veganas, suplementos e proteínas;     
  • Delivery;     
  • Previsão da produção de resíduos para minimizar desperdícios através da biotecnologia;     
  • Oferta de insumos por meio de marketplaces;     
  • Criação de aplicativos que cruzam dados de clientes;     
  • Identificação da origem e rastreamento de alimentos até o consumidor final por softwares.

Quais são as categorias das Foodtechs?

Uma vez que as foodtechs passaram a atuar em diferentes modalidades, surgiram categorias que dividem essas empresas de acordo com as áreas de atuação. São elas:    

  1. Super Foods & CPG – novos tipos de alimentos e bebidas são criados a partir da tecnologia e matérias-primas alternativas;    
  2. Food Delivery & Logistics - serviços de entrega de alimentos aos consumidores;    
  3. Smart Kitchen & Restaurant Tech – voltada para aplicações que melhorem os processos internos e aumentem a eficiência das cozinhas;    
  4. Farm to Table – procuram aproximar os produtores dos consumidores, reduzindo o número de intermediários no processo;    
  5. Food Safety & Traceability – soluções que aumentam a vida útil dos alimentos, identificam o que não é adequado ao consumo e rastreiam a cadeia de suprimentos.    
  6. Consumer Apps & Services – aplicativos que trazem informações sobre nutrição e melhores hábitos alimentares;    
  7. Waste Management – auxiliam na redução do desperdício fazendo a redistribuição de alimentos.


 
 


 

Exemplos de foodtechs brasileiras

iFood

O iFood é uma das foodtechs mais conhecidas dos consumidores brasileiros. A empresa se popularizou pela oferta de serviços de delivery a partir da criação de um canal que conecta estabelecimentos e clientes.

Segundo a empresa, hoje, há 200 mil entregadores cadastrados na plataforma de entrega e são registrados 60 milhões de pedidos por mês, cujos pratos ou produtos são disponibilizados por 270 mil estabelecimentos parceiros.

O desenvolvimento do iFood fez com que a empresa passasse a oferecer outras soluções tecnológicas ligadas a vendas, divulgação, gestão e educação para o setor.

Pratí

Essa é outra foodtech muito conhecida no mercado de alimentação brasileiro. A proposta da Pratí é transformar o conceito de comida congelada.

Para isso, a empresa utiliza alimentos livres de agrotóxicos para preparar opções de pratos, que são dispostos em marmitas e embalados à vácuo.

A tecnologia utilizada pela Pratí visa à preservação das características e nutrientes dos alimentos com essa oferta de refeições mais saudáveis.

Comida Invisível

A startup Comida Invisível surgiu com a proposta de utilizar a tecnologia para levar alimentos que perderam o valor comercial a pessoas que precisam.

A plataforma da empresa tem, hoje, mais de 20 mil organizações não-governamentais (ONGs) mapeadas.

Os alimentos doados por empresas cadastradas e que seriam descartados são acompanhados por nutricionistas para garantir a segurança jurídico-sanitária dessa destinação.

Os impactos social e ambiental estão no centro da solução oferecida pela startup para combater o desperdício.

Quais os benefícios das Foodtechs?

Além das soluções oferecidas aos consumidores, o desenvolvimento das foodtechs também traz benefícios para a indústria de alimentação.

A atuação das startups e empresas que nascem com esse conceito contribui para a otimização dos processos de produção e distribuição de alimentos.

Entre os benefícios alcançados com as foodtechs, estão:     

  • Redução do desperdício de alimentos;     
  • Fidelização dos clientes oferecendo conforto e praticidade;     
  • Automatização de processos;     
  • Aumento da produtividade e das vendas;     
  • Permitem que os empreendedores deem mais atenção a detalhes, como a qualidade das embalagens;     
  • Facilitam a alimentação das pessoas ao oferecer opções variadas para os mais diversos hábitos alimentares.


 
 


 

De olho no futuro

Atentas aos hábitos de consumo, as foodtechs buscam propor soluções inovadoras e transformar a indústria de alimentos.

Para os profissionais do setor, é importante se manter atualizados sobre as tendências e ferramentas que otimizam as operações, sempre alinhadas à sustentabilidade dos negócios e do planeta.

Quer mais dicas sobre negócios do segmento de alimentação fora do lar? Então, acesse o perfil do Prepara Gastronomia no Instagram: @preparagastronomia.sebrae.

Na plataforma Sebrae Play, é possível conferir a coleção de conteúdos do Prepara Gastronomia e expandir os conhecimentos.

Dúvidas? Fale com um de nossos especialistas no Atendimento Online, ligue para nossa Central de Atendimento no telefone 0800 570 0800 ou visite a Agência de Atendimento mais próxima.

Publicado em 03/01/2024 14:14

Tempo de leitura: 8min

Autores

Veja outros itens da coleção: Prepara Gastronomia
Veja outros conteúdos sobre: Empreendedorismo
Lines
Central de Atendimento:
0800 570 0800

Copyright 2020 - SEBRAE MINAS

Logo Sebrae PlayLogo Sebrae